O que é loja virtual? As melhores estratégias para começar a sua!

Mais do que saber o que é loja virtual, você precisa conhecer as estratégias certas para atrair clientes. Você sabe quais são elas? Confira no post!
 Otávio Hoffmann  |      12/07/2021
o-que-e-loja-virtual

Se alguém te perguntar, você sabe o que é loja virtual? Entender esse conceito ajuda a vender mais pela internet. Por quê? Em resumo, fica mais fácil criar e aplicar a estratégia certa, considerando o seu tipo de negócio.

Afinal, a concorrência é grande. Isso é o que mostra o relatório Webshoppers de 2020. Segundo o levantamento, as vendas por canais eletrônicos ultrapassaram R$ 87 bilhões em 2020. Muito desse resultado se deve ao crescimento de novos consumidores, que totalizou 13,2 milhões.

Ainda assim, há quem faça sucesso nesse ambiente e também quem não consiga decolar o negócio, apesar do esforço. Qual a diferença entre eles? A adoção da estratégia certa.

É por isso que, neste artigo, vou te apresentar as características e detalhes para você saber o que é loja virtual e poder colocar em prática o conhecimento para aumentar suas vendas.

Então, que tal ler e aprender o que fazer? Vamos juntos!

O que é loja virtual?

A loja virtual é um ambiente online destinado para a venda de produtos ou serviços. Criado por uma marca, todo o conteúdo está disponível em servidores na internet e é acessado por potenciais compradores a qualquer hora do dia, tanto pelo computador quanto por aplicativo ou smartphone.

Ainda que você saiba o que é loja virtual, existem algumas diferenças entre elas. Por exemplo, na maioria dos casos, a entrega é feita por Correios ou transportadora na casa do cliente. Mas há aquelas empresas que permitem fazer a retirada em um estabelecimento físico.

De toda forma, o procedimento completo de venda de produtos e serviços é feito por meio desse ambiente online. Nele, o comprador consegue pesquisar os itens, ver suas especificações, escolher o melhor e fazer o pagamento.

Não há consenso sobre a primeira loja virtual no Brasil. Alguns dizem que foi a Magazine Luiza, em 1992. Outros que foi a Booknet, em 1995. Também há registros da Brasoftware, em 1996. O que importa, mesmo, é que esse segmento evoluiu.

Em 2020, o ticket médio — ou seja, o valor médio por pedido — foi de R$ 452, conforme o Webshoppers. O relatório ainda apontou que os principais canais para encontrar a loja virtual são sites de busca e redes sociais.

É por isso que tanto se fala na importância de investir na divulgação pela internet, com conteúdos em redes sociais e outras estratégias de marketing digital.

Na Company Hero, você pode contratar um pacote de posts para redes sociais. Com conteúdos personalizados para sua marca, melhora sua presença digital. Conheça!

Quais as características de uma loja virtual?

Antes de conhecer as estratégias para atrair clientes, é importante saber o que é loja virtual e quais são seus aspectos fundamentais. Essas características são necessárias para que esse negócio seja um sucesso e possa atender às demandas do público-alvo.

Se você quer implementar sua loja virtual, entender isso é fundamental. Quer saber quais são os primeiros passos para vender na internet? Confira a seguir.

Simplicidade de compra

O processo de compra em uma loja virtual deve ser fácil. Caso contrário, o potencial cliente acaba se afastando. Mas o que seria a simplicidade, nesse caso? A resposta está em fechar a negociação em 3 ou 4 cliques.

Para alcançar esse objetivo, é necessário que o layout da loja virtual seja muito bem organizado. Lembre-se de que ela é como uma vitrine online. Portanto, o consumidor deve encontrar o que deseja com rapidez. Aqui, vale inserir:

  • filtros eficientes, que trabalhem com a inteligência para facilitar a busca por produtos;
  • formulários simples, que solicitem apenas o necessário. Assim, é mais fácil fechar a compra;
  • checkout transparente, para evitar que o usuário seja redirecionado a outra página na hora do pagamento;
  • armazenamento automático de informações. Assim, as compras futuras do cliente já têm seus dados disponíveis.

Uma loja virtual de sucesso precisa ter boa usabilidade. Esse termo indica uma navegação facilitada e intuitiva. Assim, a pessoa encontra o que deseja com rapidez.

Por exemplo, imagine que você vende livros. Na sua loja virtual, há apenas duas categorias: obras nacionais e literatura estrangeira. Por mais que isso esteja correto, haverá problema para o consumidor buscar o título esperado.

Afinal, se ele quer uma obra de Machado de Assis, ele apenas consegue buscar na categoria nacional. No entanto, essa classificação traz livros técnicos, sobre gastronomia, literatura recente e clássica, e muito mais.

Portanto, é importante ter diferentes categorias, como: ficção, drama, autoajuda, religião etc. Ainda é possível trabalhar com filtros para facilitar a busca.

Apesar desses aspectos serem necessários, você também deve pensar em outras facilidades. É o caso de colocar ícones para sinalizar o carrinho de compras, as informações sobre a empresa e outros. Tenha em mente que quanto mais fácil for a experiência de navegação, melhor.

Responsividade

O brasileiro gosta de acessar as lojas virtuais (e outros sites também) pelo celular. Para ter uma ideia, dados da Anatel mostram que foram registrados 234,07 milhões de conexões por meio de dispositivos móveis em 2020. Esse dado é 7,39 milhões maior do que em 2019, ou seja, a alta foi de 3,26%.

Portanto, há uma crescente importante, que faz você pensar em o que é loja virtual e como otimizá-la para smartphones. A resposta passa pela responsividade. Essa característica faz com que a página acessada se adapte aos diferentes formatos de tela.

Quer entender como a responsividade é importante? Com certeza, você já acessou um site pelo celular em que as informações ficaram parcialmente cortadas ou os botões ficaram inacessíveis. Isso é um site sem essa característica.

Na prática, isso interfere na experiência do usuário. Em outras palavras, fica mais difícil dele ver todas as informações e tende a deixar o seu site para fechar negócio com a concorrência.

Além disso, o Google pune os sites sem responsividade. Assim, fica mais difícil ficar em um bom lugar nas páginas de pesquisa, quando os usuários buscarem por algum produto ou serviço que você comercializa.

Então, o que avaliar para garantir que o seu site esteja responsivo? Veja as dicas:

  • teste o acesso ao site por smartphones e tablets;
  • verifique se o carrinho de compras está funcionando;
  • veja se há espaço entre botões e páginas para garantir uma navegação fácil;
  • use imagens em tamanhos adequados e com formatos adaptáveis;
  • tenha páginas simples, com botões para CTAs e links de acesso fácil.

Experiência de navegação

Mais do que a responsividade, existem outros fatores que interferem na experiência do usuário. Aqui, também é preciso analisar a lentidão para o carregamento das imagens, o redirecionamento para outras páginas e outras situações negativas.

Tudo isso traz uma navegação ruim, o que aumenta o índice de rejeição à sua loja virtual. Como consequência, as vendas diminuem. Para evitar essa situação, garanta que os usuários consigam:

  • mudar de página com facilidade;
  • ler as descrições dos produtos ou serviços;
  • compreender as informações;
  • acessar os menus com rapidez e de maneira intuitiva.

Amplo mix de produtos

O mix de produtos se refere à variedade de itens disponíveis para a venda. Por mais que um estoque grande possa ser complicado para uma loja virtual — afinal, há muitos pequenos empreendedores —, é importante garantir o equilíbrio.

Quando você vende poucos tipos de produtos, a chance de vender é menor. O motivo é simples: as compras em uma loja virtual têm frete. Por isso, o valor cobrado precisa ser diluído entre vários itens. Caso contrário, o consumidor nem sempre enxerga como algo que vale a pena.

Quer um exemplo simples? Imagine que você vende canecas. Se focar somente nesse produto, fica mais difícil agregar valor, porque só o frete pode ser equivalente ou até maior do que o preço do produto.

Nesse caso, é possível oferecer copos, taças, abridores e outros produtos para o comprador dar mais relevância. Ao fazer isso, aproveite e separe as mercadorias em categorias. Assim, tudo fica organizado e é de mais fácil acesso pelo cliente.

Várias formas de pagamento

A última característica para definir o que é loja virtual é a variedade nas formas de pagamento. Para aumentar as chances de vendas, ofereça cartões de débito e crédito, boleto e até carteira virtual. Dessa forma, você abrange um número maior de clientes, já que cada um pode ter a sua preferência.

Não esqueça também do PIX, que facilita o pagamento à vista por parte do consumidor. Para você, empreendedor, o PIX é uma forma de oferecer desconto e aproveitar para receber os pagamentos na hora, em qualquer momento do dia.

Qual a diferença entre loja virtual e e-commerce?

Apesar de muita gente colocar esses dois termos como equivalentes, eles têm diferenças. E-commerce é o ambiente eletrônico em que as operações são realizadas. Ele vai do primeiro contato com o cliente até o pós-venda. A loja virtual se refere ao estabelecimento virtual, isto é, um ponto de venda.

Um e-commerce, inclusive, pode vender produtos sem ter uma loja virtual. É o caso de fazer vendas por redes sociais. Basta disponibilizar um link de pagamento — esse é um critério fundamental para a classificação como e-commerce.

Outra possibilidade são as vendas feitas por marketplaces. Esse é o caso do Mercado Livre. Você pode usar a plataforma para comercializar seus produtos. Portanto, é um e-commerce. Mas não se encaixa no conceito de loja virtual por não ser um site independente.

Por isso, uma loja virtual é um site independente que funciona como uma vitrine online. Toda a transação pode ser iniciada e finalizada diretamente por ela, sem precisar de intermediários.

Entender a diferença de e-commerce para loja virtual é muito importante para entender o que é loja virtual.

Assim, fica claro que a loja virtual sempre é um e-commerce, mas nem todo e-commerce é uma loja virtual. Ou seja, o comércio eletrônico é muito mais amplo.

Inclusive, muitas vezes os empreendedores começam a comercializar seus produtos em marketplaces e, depois de crescerem, rumam para a criação de uma loja virtual própria, já que ela possui mais vantagens econômicas.

Tipos de e-commerce

Você percebeu que o e-commerce se refere ao comércio eletrônico e pode ser executado de formas variadas. Ele abrange desde as transações feitas em lojas virtuais até aquelas fechadas por WhatsApp ou redes sociais.

Além disso, existe uma classificação de tipos de e-commerce, que depende do público para o qual a empresa vende. Há uma grande variedade de opções, mas as principais são as que serão apresentadas a seguir.

B2B

É o modelo Business to Business, em que a sua empresa vende para outra. Normalmente, é a operação realizada entre varejistas e atacadistas ou fabricantes e lojas. Ou seja, o seu cliente não é o consumidor final.

B2C

O Business to Consumer é aquele em que sua empresa vende para o consumidor final. Representa o varejo propriamente dito. Esse é um dos modelos mais comuns no mercado e é o foco de boa parte das lojas virtuais.

C2C

É o Consumer to Consumer, em que um consumidor vende para outro. Esse formato vem crescendo nos últimos anos com a expansão da internet. Alguns exemplos desse modelo são o dos prestadores de serviços e as vendas feitas em marketplaces por pessoas físicas. Outra possibilidade são os brechós online.

C2B

No Consumer to Business, o modelo de negócio é invertido. Aqui, o consumidor vende para as empresas. É o caso de um freelancer pessoa física, que vende seu serviço para uma pessoa jurídica.

B2A

Outro tipo de e-commerce é o Business to Administration, no qual as empresas vendem para a administração pública, ou seja, governos municipais, estaduais e federal. Nesse caso, o negócio participa de um processo de licitação e precisa vencê-lo.

Além desses tipos, vale a pena conhecer as modalidades de e-commerce. Elas são:

  • m-commerce: é o mobile commerce, que representa as vendas feitas por dispositivos móveis. É uma espécie de evolução do e-commerce tradicional e pode utilizar a interatividade das redes sociais para trazer visibilidade à marca;
  • s-commerce: é o social commerce, modalidade em que é possível integrar a loja virtual às mídias sociais. A negociação pode ocorrer por esses canais e o consumidor ainda pode classificar o atendimento, a qualidade do produto e mais;
  • t-commerce: é o comércio feito pela televisão. Para isso, a tecnologia é unida à criatividade de seriados, filmes e comerciais de produções independentes.

Quais as vantagens de ter uma loja virtual?

Agora que você entendeu o que é loja virtual, o que a caracteriza e quais são suas diferenças em relação ao e-commerce, chega o momento de saber por que vale a pena ter essa ferramenta à sua disposição.

Obviamente, um dos fatores positivos é a possibilidade de alcançar um número maior de pessoas. Isso porque há praticidade nas compras e os clientes encontram aquilo de que precisam. Sem contar que não há limitações de cidades, estados e país.

Mas ainda tem mais! Confira quais são os benefícios de ter uma loja virtual.

Comodidade

A criação de um negócio virtual é menos burocrático do que ter um estabelecimento físico. Você não precisa de tantos alvarás e autorizações. Com isso, pode começar a trabalhar mais rapidamente.

Custos menores

Os gastos com a loja virtual também são menores. Não é preciso pagar aluguel nem comprar um estoque tão grande. Você pode trabalhar com o que tem mais giro e adquirir pontualmente aquilo que sai em menos quantidade. O investimento inicial também é mais baixo, porque a infraestrutura necessária é menor.

Funcionamento 24/7

Uma loja virtual está disponível 24 horas por dia, de segunda a segunda. O cliente pode acessá-la quando quiser e comprar o produto desejado sem se preocupar com horários. Essa é uma das principais facilidades do comércio eletrônico.

Menores custos de marketing

Os valores para divulgar a sua empresa e atrair clientes são menores através dos meios eletrônicos. Com um orçamento baixo, é possível anunciar nas redes sociais e no Google. É só adotar a estratégia certa para fazer a conversão.

Melhoria da experiência

Os consumidores têm mais praticidade e facilidade ao pesquisar e comprar os produtos das lojas virtuais. Eles conseguem pesquisar de forma rápida e achar todas as informações de que precisam. Além disso, para a sua empresa, é a oportunidade de expor sua marca, ganhar visibilidade e construir uma boa reputação.

Como vender mais na sua loja virtual?

Conheça o seu mercado

O primeiro passo para vender mais na sua loja virtual é entender como o mercado está. Há oportunidades? Quais são os concorrentes? Há tendência de aumento das vendas? Essas são apenas algumas perguntas que precisam ser respondidas.

Para obter essas informações, vale a pena fazer uma pesquisa de mercado. A ideia é verificar clientes, fornecedores e concorrentes. Essa análise pode contemplar:

  • dados oficiais conseguidos na prefeitura, no governo estadual e em veículos da imprensa;
  • entrevistas com o público-alvo;
  • visitas aos concorrentes, para avaliar seus pontos fortes e fracos.

Defina seu público-alvo e sua persona

Ao mesmo tempo que você pensa sobre o mercado, deve considerar quem é seu público-alvo. Esse termo representa o segmento de pessoas que podem se interessar pelos seus produtos ou serviços.

O público-alvo tem uma segmentação mais geral. Por exemplo, homens da faixa de 25 a 35 anos, que têm um estilo de vida despojado e gostam de surfar.

Por sua vez, a persona é a representação do seu cliente ideal. Por isso, é bastante específico. Por exemplo: Jonas, de 26 anos, gosta de surfar nos finais de semana. Trabalha em uma empresa descolada e não trocaria por um trabalho tradicional. Valoriza sua independência e não se preocupa com dinheiro.

Percebe a diferença entre público-alvo e persona? A partir disso, você pode seguir para a próxima etapa.

Defina a jornada do cliente

A jornada do cliente é o caminho que o potencial comprador seguirá para adquirir seu produto ou serviço. Nesse processo, também é determinado em quais momentos e situações há uma tendência maior de compra. Ainda há detalhamento sobre:

  • como ele pesquisa seus produtos ou serviços;
  • como acessar a sua loja virtual;
  • quantos e quais concorrentes ele compara nesse processo.

Todas essas informações ajudam a determinar quais são as necessidades do seu potencial cliente e como atendê-las.

Escolha uma boa plataforma

Existem plataformas com layouts prontos para você criar a sua loja virtual. Se possível, opte por fazer tudo do zero, porque assim terá mais liberdade. Sem contar que também ficará mais fácil fazer testes e mensurar os resultados.

Registre o domínio

Para ter uma loja virtual, você precisará de um endereço, ou seja, www.nomedasualoja.com.br. Esse cadastro deve ser feito em um site como o Registro.br. Se ele estiver indisponível, você precisará buscar outro nome.

Escolha um servidor

O servidor é quem armazenará as informações da sua loja virtual, como imagens. Existem várias opções no mercado. Na sua escolha, considere:

  • capacidade de armazenamento;
  • segurança;
  • suporte;
  • limite de tráfego;
  • preço.

Organize seu site

Ao saber o que é loja virtual, você percebeu que existem algumas características a cumprir. Foque em todas elas para garantir boa usabilidade para o usuário e experiência de compra. Esse é, inclusive, um fator importante para fechar negócio.

Isso é o que aponta a pesquisa O Futuro do Consumo num Cenário pós-COVID-19. Segundo o levantamento, a usabilidade é um dos principais diferenciais para reter clientes. Tanto é que 25,8% dos entrevistados afirmaram que priorizam sites com páginas que carregam rapidamente e têm outras facilidades.

Além do mais, 39,1% desejam ter um atendimento ágil e fácil e 25% querem obter mais informações sobre os produtos. Esses dados deixam claro que você precisa profissionalizar a sua loja virtual. Vale a pena contratar um desenvolvedor web para garantir todos esses aspectos.

Escolha a forma de pagamento

A sua loja virtual precisa oferecer o máximo de formas de pagamento possível. Coloque qualquer alternativa que não interfira no seu planejamento e na sua estratégia. Além do mais, é preciso ter um formato de cobrança. Ele pode ser:

  • gateway de pagamento: facilita as operações por disponibilizarem uma conexão rápida e estável com as adquirentes. A cobrança ocorre como uma taxa fixa por transação. No entanto, vale a pena contratar um sistema antifraude para trazer mais segurança. No fim, é preciso fazer a integração com a loja virtual;
  • intermediador de pagamento: é uma empresa que facilita a finalização da compra. Alguns exemplos são Pagseguro, Paypal, Moip e Mercado Pago. Eles já trazem segurança. A cobrança depende das tarifas de formas de pagamento e uma taxa por transação autorizada.

Divulgue seu negócio nas redes sociais

As redes sociais são um dos principais canais para as lojas virtuais nutrirem o relacionamento com os clientes, atraírem compradores, fecharem vendas e construírem sua reputação. Os dados do relatório Digital 2021 confirmam isso.

No Brasil, há 160 milhões de usuários de internet e 150 milhões em mídias sociais. O tempo gasto nas redes sociais é de 3 horas e 42 minutos por dia. Para complementar, 91,4% dos usuários de internet pesquisam por algum produto ou serviço online.

Se tudo isso ainda não te convenceu a ter uma loja virtual e investir nas redes sociais, saiba que essa é a oportunidade de se tornar uma referência. O primeiro passo é trabalhar a sua identidade visual e postar bons conteúdos no seu perfil.

Para otimizar o seu trabalho, é interessante contratar uma empresa especializada. Assim, todos os detalhes serão considerados para alcançar o melhor resultado possível.

Escolha um produto principal para vender

A partir da definição do seu público-alvo e de sua persona, você pode escolher um produto para ser o principal, seu carro-chefe. Essa definição deve estar embasada na sua pesquisa de mercado.

Depois, vale a pena investir na divulgação do produto. Descreva os detalhes do item e suas especificações. Isso ajuda o consumidor a entender o que ele faz, como é fabricado e para que serve.

Atente à logística das entregas

Uma das características para entender o que é uma loja virtual é a entrega. Poucas empresas oferecem a possibilidade de retirada. Por isso, é importante cuidar da logística para garantir que os pedidos cheguem na hora certa.

Aqui, existem duas alternativas para garantir uma entrega adequada. Elas são:

  • Correios: é a opção mais simples, porque o serviço já existe e atende todo o Brasil. Você pode fazer um contrato específico para e-commerces. Isso ajuda a diminuir o preço dos fretes. Por outro lado, há limitações, como de peso e dimensão do produto;
  • transportadoras: são indicadas para empresas que comercializam produtos maiores ou que não querem ter problemas com greves e outras situações. O prazo é, geralmente, garantido.

Ainda é preciso cuidar da manutenção e da gestão dos estoques, a fim de garantir que todos os produtos estejam realmente disponíveis à pronta entrega.

Foque o atendimento

Para ser competitiva, a loja virtual deve oferecer um bom atendimento. Vários canais devem ser disponibilizados. Veja:

  • chat: permite que o cliente faça perguntas diretamente à empresa. Requer atendimento rápido;
  • WhatsApp: deve ser oferecido como mais um canal, mas você nunca deve entrar em contato sem autorização;
  • telefone: repassa uma sensação de segurança e permite diversificar os canais de atendimento.

Como ter mais credibilidade e visibilidade na loja virtual?

Agora que você entendeu todos os aspectos sobre o que é loja virtual, pode ver dicas importantes para ganhar credibilidade e visibilidade. Tudo isso se reflete no aumento da competitividade.

O que fazer? Separei 4 principais recomendações para você. Confira!

Abertura de empresa

A legalização e a formalização da sua loja virtual são imprescindíveis para a confiança dos clientes. Com a abertura de empresa realizada por especialistas, você deixa a burocracia de lado e começa seu negócio em menos tempo.

A Company Hero faz a abertura da sua empresa de forma totalmente online. Você pode ter um CNPJ do tipo MEI, EI, LTDA ou EIRELI. Saiba mais!

Escritório virtual

Você pode ter a sua loja virtual em casa mesmo, mas esse endereço nem sempre pode ser usado para o seu CNPJ. Sem problemas! Basta você ter um serviço de escritório virtual.

A ideia é ter um endereço para sua empresa sem ter os mesmos custos de uma sede. Assim, você legaliza seu negócio sem gastar muito para isso.

Contrate agora o serviço de escritório virtual com a Company Hero e tenha seu endereço de correspondência agora! É só clicar aqui e ver mais.

Registro de marca

Muitos empreendedores ignoram a importância de registrar sua marca. No entanto, o nome é fundamental para que os clientes identifiquem a loja virtual e voltem a comprar.

Há empresas especializadas, como a Company Hero, que fazem o processo de acordo com as regras do INPI. De quebra, você ainda pode verificar a disponibilidade do nome de forma gratuita.

Quer saber se a marca de sua loja virtual está disponível para registro? É só acessar nossa página.

Conteúdos para redes sociais

Já falamos neste artigo da relevância de investir nesses canais. Por isso, vale a pena contratar uma empresa especializada, que vai se preocupar com os assuntos mais relevantes, a identidade visual da sua marca e outros aspectos.

Assim, você economiza tempo e tem acesso a um serviço diferenciado, com controle de qualidade garantido. Sem contar que você pode escolher o pacote mais adequado à sua realidade, a partir de 8 posts por mês.

Sua empresa ainda tem artes personalizadas, hashtags exclusivas e estratégia de postagem. É ou não é a melhor opção para o seu negócio?

Com todas essas informações, você vai muito além de saber o que é loja virtual. Consegue aplicar as ideias e alcançar os objetivos que tanto persegue. O caminho é a prosperidade!

E você, quer abrir seu CNPJ e ter um endereço para sua loja virtual? Clique aqui e saiba mais!

otavio-hoffmann-company-hero.png
Otávio Hoffmann
Redator